terça-feira, 2 de outubro de 2018


Toffoli mantém proibição de Lula dar entrevistas da prisão



O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu na noite dessa segunda-feira (1º) manter a proibição de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso no âmbito da Operação Lava Jato, conceder entrevistas da prisão. A suspensão vale até o plenário da Suprema Corte decidir sobre a matéria.
O ex-presidente está preso na superintendência da Polícia Federal no Paraná, depois de ser condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso do “tríplex do Guarujá”.
A decisão de Toffoli deve pacificar a questão, que provocou uma guerra de liminares opondo de um lado o vice-presidente do STF, ministro Luiz Fux, e de outro o ministro Ricardo Lewandowski.
Na manhã desta segunda-feira, Lewandowski reafirmou a autorização para que Lula concedesse entrevistas a jornalistas, permissão que havia sido suspensa por Fux na última sexta-feira (28).
Em meio à controvérsia, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, solicitou ao Supremo orientação sobre como proceder no caso, diante de duas decisões divergentes.
“Diante da solicitação, a fim de dirimir a dúvida no cumprimento de determinação desta Corte, cumpra-se, em toda a sua extensão, a decisão liminar proferida, em 28/9/18, pelo Vice-Presidente da Corte, Ministro Luiz Fux, no exercício da Presidência, nos termos regimentais, até posterior deliberação do plenário”, determinou Toffoli.


Bolsonaro e Haddad voltam a empatar com 42% no 2º turno, Pesquisa IBOPE.



Os candidatos à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) voltaram a empatar numericamente na simulação de segundo turno, de acordo com o último levantamento Ibope/Estado/TV Globo, divulgado na noite dessa segunda-feira (1º). Numa disputa direta, os dois aparecem com 42%. Em relação à última pesquisa, do dia 26 de setembro, Bolsonaro subiu quatro pontos e Haddad ficou estagnado – considerada a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, o cenário também configurava empate técnico.
Ciro Gomes (PDT) é o único candidato que vence Bolsonaro fora da margem de erro. O pedetista tem 45% das intenções de voto em um cenário com o capitão da reserva, oscilação positiva de um ponto porcentual em relação à pesquisa anterior. Bolsonaro teria 35% dos votos, mesmo índice encontrado no levantamento do dia 26 de setembro. Brancos e nulos somaram 13%; outros 3% não responderam ou preferiram não opinar.

Eleitor pode saber local de votação de forma rápida na internet!



     Agência Brasil – Na última semana antes da votação do 1º turno das eleições, candidatos se mobilizam para as mas tentativas de angariar apoios e eleitores vão atrás de informações tanto sobre as opções em disputa quanto sobre os procedimentos para a votação.
     Uma das principais dúvidas é o local de votação. É possível conferir seção, zona e endereço por diversos canais na internet.
No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o eleitor pode fazer a consulta. A opção está na página principal. Basta inserir o número do título de eleitor.
     Para quem esqueceu o registro do documento, uma alternativa é preencher nome, nome da mãe e data de nascimento. O sistema apresenta número do título, seção, zona, endereço e município.

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Ciro Gomes lidera no Nordeste!


   De acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (10), que apurou os percentuais de intenção de voto para presidente da República, o candidato Ciro Gomes (PDT) lidera isolado as intenções de votos na região Nordeste. No levantamento anterior ele tinha 14% e agora tem 20%.
    Atrás de Ciro, aparecem empatados tecnicamente os candidatos Jair Bolsonaro (PSL), que manteve 14% das intenções de votos e Fernando Haddad (PT), que tinha 5% e pulou para 13%.
     Marina Silva (Rede), que liderava a disputa na região com 19%, despencou e aparece agora com 11%. Geraldo Alckmin (PSDB) tinha 5% e ficou com 7%.

terça-feira, 24 de julho de 2018


Armando procurou Bruno para tentar reverter o clima de rompimento do PSDB



O senador Armando Monteiro Neto (PTB) procurou esfriar a temperatura de sua aliança, ontem, após o PSDB levantar a possibilidade de rompimento com seu grupo político e lançar candidatura própria ao governo do estado. Segundo ele, da sua parte nunca houve vetos ao nome do deputado federal Bruno Araújo (PSDB), que, por meio de carta divulgada no fim de semana passado, desistiu de concorrer ao Senado pela Coligação Pernambuco Pode Mais.
Bruno viajou a São Paulo, ontem, para conversar com o pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, mas foi procurado por Armando e o senador garantiu que o diálogo se mantém aberto.
“Nunca, de minha parte, houve vetos a Bruno por conta disso ou daquilo. O que pode haver hoje ou amanhã são avaliações do que possa representar a estratégia mais adequada. Não houve vetos porque nós todos somos companheiros”, declarou.
Armando Monteiro voltou a dizer que apoiaria a candidatura presidencial de Lula se ele for realmente candidato, mas ressaltou não ter fechado as portas para o palanque de Alckmin, especialmente porque a maior parte dos partidos que lhe dão suporte defendem a pré-candidatura do ex-governador de São Paulo na disputa pelo Planalto.
“Isso é uma contradição? Não. Quando fui convocado, fui convocado porque as forças entenderam que eu poderia representar uma opção que agregasse. Eu posso ter tido, em algum momento, o papel de coordenação, mas não me cabe impor nada. Eu fui escolhido para representar esse grupo, todos eles sabendo da minha trajetória, da minha afinidade com Lula, que fui ministro de Dilma (Rousseff) e contra o impeachment. Se a opção fosse uma chapa pura, o candidato não poderia ser Armando”. 
Informações do Diário de Pernambuco